Meu Blog

Blog

Conheça as 4 etapas da organização que vão mudar sua vida (e sua casa)

7 de dezembro de 2021

A organização compreende um conceito bem mais amplo do que apenas “arrumar objetos”. De acordo com a especialista em organização profissional, Marie Kondo, é comum as pessoas fazerem limpeza para descansar a mente, mas a organização não é considerada uma atividade relaxante porque exige uma boa dose de concentração e raciocínio na execução das tarefas.

Embora seja um conceito amplo e completo, a organização torna-se uma tarefa fácil se você seguir algumas etapas essenciais que devem ter sua sequência respeitada a fim de atingir os melhores objetivos.

São 4 as principais etapas da organização:

1) Separação e limpeza
Limpar é a mais primordial das atividades envolvidas na organização. Afinal você não organiza roupas sujas na gaveta ou louças sujas no armário. Nem mesmo é possível organizar objetos limpos em um ambiente sujo. Sendo assim, antes de qualquer outra etapa, é preciso iniciar pela limpeza.

Em projetos de organização, aconselho minhas clientes a fazer, ao mesmo tempo que a limpeza, a separação dos objetos. Por exemplo, você pode encontrar um lápis na gaveta da cozinha e lá, certamente, não é o local apropriado para ele. Assim já é possível ir separando alguns itens que vai encontrando nesta primeira etapa.

É importante frisar que personal organizer não trabalha com limpeza ou faxina. Quando a cliente não tem um funcionário em casa responsável por esta atividade, indicamos a contratação de serviço especializado em limpeza doméstica ou mesmo uma diarista.

2) Descarte
Nesta segunda etapa, é necessário identificar os excessos. Algumas perguntas podem ajudar na fase de decidir o que fica no local e o que pode ser descartado: Qual a última vez que usei esse item? Vale a pena guardar esse objeto? Realmente preciso disso ou estou guardando por apego?

Descartar não é, necessariamente, jogar fora. Você pode identificar itens que possam ser doados para alguém próximo (uma amiga, irmã) ou mesmo para pessoas mais carentes. O que não é útil para nós pode ser algo que outra pessoa precisa. Há ainda a possibilidade de reciclar objetos, vender para instituições que trabalham com isso, entre outras formas de descarte.
Não acumule itens dos quais não precisa ou que passa anos sem sequer ver. Isso só vai fazer sua casa ficar bagunçada e dar aquela sensação de que falta espaço para guardar tudo que tem. Deixe por perto de você somente objetos que mais usa e lhe fazem bem, sem exageros.

Outra dica que dou nesta etapa é deixar os itens sentimentais por último. A maioria das pessoas tem dificuldade de desapegar de objetos que trazem boas lembranças, então esse é um assunto a parte para ser tratado na organização profissional.

3) Categorização
A arte da organização é encontrar um lugar para cada coisa – uma casinha – e manter cada coisa em seu lugar. Ficou confuso? Calma que eu explico melhor.

Todos nós temos uma casa, correto? A gente viaja, sai, se diverte, trabalha, passeia, mas sempre volta pra casa. Isso também ocorre com os objetos. Uma colher sai da gaveta para a mesa, depois para a pia, após lavada fica no escorredor, mas no final volta para seu lugar de origem, sua “casa”, que é a gaveta. Então, grave essa orientação: todo objeto tem uma casa própria.

Outra boa dica: as famílias desejam estar juntas. Não tem coisa melhor do que ficar perto de quem a gente ama e se parece com a gente, né?! Com os objetos também é assim. Itens da mesma “família” devem estar juntos. Por exemplo, garfos e facas são da família dos talheres e por isso dedicamos, quase sempre, uma gaveta só para essa família. Então, grave mais essa orientação: crie famílias ou categorias de objetos para agrupar juntos, por afinidade, se não no mesmo local, mas próximos uns aos outros. Isso vai facilitar na hora de encontrar o que precisa usar.

4) Organização
A última etapa é, de fato, a organização. Vamos lá, você já limpou, selecionou, fez descarte e criou categorias dos seus itens – seja da sala, do quarto, da cozinha ou outro espaço qualquer. Agora restaram apenas aqueles objetos que realmente você usa e que irão retornar para o ambiente a ser organizado.

Nesta etapa é feita a criação de sistemas de organização conforme as técnicas mais adequadas, organização estética (exemplo: alinhamento vertical de itens) e acabamentos (como, por exemplo, a identificação padronizada).

Seguindo estas 4 etapas fica fácil organizar uma gaveta ou uma casa inteira. Vamos começar? Conte comigo se tiver dúvidas ou se quiser dividir o resultado das suas conquistas.

Blog

Como funciona o trabalho da personal organizer

1 de agosto de 2020

Parece um simples passe de mágica que seus ambientes se tornem organizados com o trabalho de uma profissional de organização. Mas apesar desse serviço ser caracterizado pela transformação dos locais e até das pessoas que habitam a casa, não é bem um milagre que acontece. A organização obedece a algumas etapas que devem ser seguidas para o melhor resultado tanto para a PO quanto para a cliente. Veja a seguir quais são estas etapas e como você participará delas.

1ª ETAPA: CONTATO INICIAL COM A CLIENTE

Geralmente iniciamos esse primeiro contato com algumas perguntas básicas para que a profissional de organização conheça melhor as necessidades da cliente, sua família e seus espaços.
As perguntas vão desde detalhes sobre a rotina da casa até informações específicas sobre o projeto em si (closet, cozinha, despensa, baby organizer, etc). Tenho um formulário que aplico com essas perguntas básicas, tanto na consultoria virtual quanto presencial.

Foto: reprodução/ Pinterest

2ª ETAPA: VISITA TÉCNICA

Neste segundo momento, é importante que a profissional de organização possa conhecer o local, fazer a medição das prateleiras, gavetas, armários e outros espaços que serão foco do projeto de organização.

Esse contato faz toda a diferença para que o projeto e possível indicação de produtos organizadores estejam em total adequação com os espaços da cliente. Até porque cada casa é única e merece seu projeto personalizado.

Em caso de consultoria virtual, a visita técnica pode ser substituída por vídeos enviados pela cliente de todos os ambientes ou por uma videochamada (ao vivo), na qual é possível conversar e obter mais informações. Nesse caso, será necessário que a cliente realize as medições e envie para a profissional (PO).

3ª ETAPA: ELABORAÇÃO DO PROJETO

A partir das informações técnicas, características colhidas nos espaços e conhecimento sobre a área que atua, a profissional de organização irá elaborar um projeto personalizado para o ambiente a ser trabalhado. Isso inclui soluções para os maiores problemas identificados, indicação de produtos organizadores que auxiliem na sistematização dos itens, categorização dos pertences dispostos ali e otimização dos espaços.

4ª ETAPA: AQUISIÇÃO DOS PRODUTOS ORGANIZADORES

Esta etapa pode ser executada tanto pela personal organizer quanto pela cliente. Feita a indicação dos produtos, a cliente decidirá se vai adquirir tudo ou parte do que foi orientado. Há também a possibilidade de fazer a compra sozinha, em locais indicados pela profissional de organização ou de sua preferência, ou ainda contar com mais esse apoio por parte da PO.

Geralmente, como temos mais experiência quanto aos locais de venda, tipos de produto, qualidade e até melhores preços, se torna mais fácil para nós executar essa missão.

5ª ETAPA: EXECUÇÃO DO PROJETO

Chegou a hora de começar a dar vida ao projeto. A personal organizer irá voltar à casa/ empresa/ escritório da cliente e iniciar as providências para transformar o espaço (ou espaços).

Isso inclui a participação efetiva dos usuários daquele local para que tudo seja feito conforme as necessidades de quem realmente vai usar o ambiente. Isso vale até mesmo para as crianças, que podem e devem se envolver no processo de organização – o que as estimula a gostar do tema e a manter o sistema feito para o espaço delas.

Na execução do projeto estão incluídas ainda as orientações quanto à manutenção do sistema de organização projetado e implantado no local. Esta exposição deve ser feita tanto para os donos da casa/empresa quanto para funcionários que vão lidar diretamente com a manutenção.

6ª ETAPA: MANUTENÇÃO

Após algum tempo de uso dos ambientes, é natural que eles precisem de manutenção profissional. Assim como um eletrodoméstico ou um automóvel, a organização também é algo que vai demandar empenho por parte da sua dona para se manter sempre eficiente.

E aqui não estamos falando da manutenção do dia a dia. Esta será feita sempre que um objeto for retirado do seu local de origem e precisar de ajuda para retornar para o local – sem se perder bagunçado pela casa.

A manutenção desta etapa é uma manutenção profissional, que não é obrigatória, mas pode ser uma escolha da cliente para manter ou recriar sistemas de organização, por exemplo, quando mudam as condições sobre as quais o projeto inicial foi construído (nascimento de um novo filho, casamento, entre outras).

Algumas clientes optam por deixar pré-combinado um período para essa manutenção e até reservar uma parte do seu banco de horas contratado com essa finalidade.

A ETAPA MAIS IMPORTANTE: VOCÊ E SUA FAMÍLIA FELIZES

O mais fascinante de todo esse processo é perceber como é transformador o poder da organização. Você vai começar a pensar nos seus espaços de forma diferente e interagir melhor com eles. Isso sem falar nos ganhos tangíveis e intangíveis, como economia de dinheiro e tempo, qualidade de vida, menos estresse, melhor rendimento nas atividades, impacto positivo nos relacionamentos interpessoais, saúde física e emocional e melhor aproveitamento dos espaços.

Que tal começar agora a proporcionar isso tudo para você mesma e para sua família?

Vem comigo!

Blog

Como acabar com o quarto da bagunça

25 de abril de 2019

Ainda me surpreendo com o fato de ser tão comum as pessoas terem em casa o “quarto da bagunça”.  Sim, me surpreendo porque é, para mim, algo como admitir que tenho espaço reservado para coisas ou sentimentos negativos como “quarto da sujeira”, “quarto da tristeza”, “quarto do azar” – coisas que estão na lista das que queremos que fiquem bem longe.

Uma hóspede tão espaçosa (ou moradora definitiva da casa) não deveria ser convidada a se retirar? 

Pense em quantas coisas boas poderia ter nesse espaço: um escritório, sala da vídeos, atelier de costura ou outro hobby, quarto de hóspedes (de verdade, sem ser a dona bagunça) ou apenas um local vazio para que a energia da casa possa circular positivamente.

Para começar, sugiro que converse consigo e com a dona bagunça. Diga-lhe que já foi generosa demais em deixá-la ficar tanto tempo ali, mas agora ela precisa sair. 

Depois separe tudo o que encontrar no local e perceba quantos objetos estão nesse espaço apenas por descuido. Alguns deveriam estar na cozinha, outros no armário das roupas e vários nem deveriam mais habitar seu lar, pois já cumpriram sua função e podem ser descartados. 

Decida o que precisará manter. Aposto que será algo como menos da metade do que estava lá. Organize os objetos de maneira que saiba exatamente onde estão para quando precisar usar.

Dependendo do tipo de item, como livros, ferramentas ou outros há formas específicas e produtivas de armazenar para evitar que se amontoem ou se percam novamente no tempo e espaço. Mas isso é assunto para outro post. Gostou das dicas? Então, comente se você já teve que se livrar do “quarto da bagunça” – ou gaveta, ou armário, ou qualquer outro local que hóspede a famigerada.

Blog

Organização transforma vidas

12 de abril de 2019

O que faz uma personal organizer? Essa é uma das perguntas comuns sobre essa profissão ainda em ascensão no Brasil. Para alguns, a definição pode estar restrita a “tipo de profissional que arruma gavetas e armários”. Mas para quem estuda, se dedica e ama organização, a definição (e o resultado do trabalho) vai muito além disso.


A profissional organizer transforma vidas por meio das técnicas e sistemas de organização. O trabalho feito em ambientes se reflete na organização emocional, na saúde, na produtividade e em vários outros aspectos.
Quer um exemplo? Uma pesquisa da Forbes Business and Society, apontou que uma pessoa que tem o costume de trabalhar em espaços desorganizados perde, em média, uma hora e meia por dia procurando documentos e objetos, ou ainda sendo distraído por eles.


E não adianta dizer aquela velha frase que a maioria das pessoas desorganizadas tem na ponta da língua: “eu encontro tudo na minha bagunça”. 


É comprovado cientificamente que mesmo inconscientemente a bagunça externa se transforma em confusão mental, comprometendo a produtividade, com a perda de tempo e o desvio do foco.


Para ajudar aqueles que não conseguem fazer isso sozinhos ou ao menos não de forma duradoura, o trabalho de uma personal organizer auxilia na implantação de sistemas de organização que irão tornar a vida do cliente mais simples e os espaços mais aconchegantes.